quinta-feira, 31 de maio de 2012

Refeições para congelar e facilitar o dia a dia



Gostaria muito da vossa ajuda. Durante os proximos 2 meses vou fazer turnos da noite seguidos, com o marido que não sabe cozinhas e duas princesas , não vai ser fácil e não posso manda-los para restaurantes ou dar-lhes comidas rápidas. Muitas vezes de manha faço-lhes o jantar pra depois ele aquecer, mas torna-se cansativo e preciso das manhas para limpar a casa, roupas, etc.
A minha ideia é no dia de folga meter-me na cozinha e fazer várias refeições, congela-las e depois é só aquecer. Já costumo fazer com sopas, feijoada, assados...mas preciso de mais ideias.
 Obrigada. 

terça-feira, 29 de maio de 2012

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Olha o Manel das Azeitonas...

Num passeio a Guimarães na ideia de apresentar o Afonso (Afonso Henriques) ás minhas Princesas, olhem só quem também encontramos por lá


O grande cineasta português a gravar o seu novo filme... 







Este homem já tem 103 anos....à viver ao caralh...










Ainda tentamos fazer poses para entrar no filme mas nada, não servimos, né filha? Eheheheh



sexta-feira, 25 de maio de 2012

Grelhador prático para varanda com grades


Tenho um grelhador eléctrico mas, não há nada como grelhados na brasa. Ando à procura de um grelhador pequenino e prático para a varanda, mas nada me convence. Os mais pequenos não têm pernas, os maiores obrigam a gastar mais lenha/carvão do que realmente preciso, pois é só para 2 adultos e duas princesas que pouco comem.
Vi este num site estrangeiro e amei, alguém sabe se se vende cá e onde?
Se não, vou ter que ir a um ferreiro mandar fazer um igual à imagem.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Pingo Doce é "fish". Peixe com 50% de desconto





Está confirmadissimo, a terceira promoção decorre durante os próximos 4 dias.
Todo o peixe fresco e congelado que seja a granel vai estar com 50% de desconto, terá que fazer como no da carne 25€ em compras de outras secções para usufruir do desconto.
Atenção que bacalhau salgado não entra só o fresco.
Ao contrário do que já andam a dizer o pescado vendido nas grandes cadeias de distribuição é importada, não haverá qualquer risco para o consumidor e as regras de qualidade estarão asseguradas.
A confirmar isso mesmo estão as ações que a ASAE leva a cabo durante estas campanhas promocionais. Na semana passada a ASAE "encontrava-se no terreno a acompanhar as campanha " que foi levada a cabo pelo Pingo Doce, e o mesmo deverá acontecer com esta promoção.
Boas compras.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Diário de uma criança à beira do nervoso miudinho, tenho que fazer uma revisão ao meu dia a dia!?

Diário de uma criança à beira do nervoso miudinho, acho que tenho de fazer uma revisão ao meu dia a dia!?
Os pais não servem como despertador. Adormecem de manhã, como todos nós, mas, ao mesmo tempo que levantam a persiana e nos chamam «Meu querido» e coisas assim, querem que, entre a cara lavada e os cereais despachados, façamos dos 0 aos 100 em poucos... minutos.
Entretanto, como convém às pessoas ponderadas, e paramos de nos vestir para pensarmos na vida, eles sofrem de hiperatividade e, em jeito de ameaça, gritam qualquer coisa do género: «Eu juro que me vou embora, e deixo-te aqui!» (que era tudo o que eu mais queria!).
Os pais servem, também, para nos tirar a boa-disposição, antes do trabalho. Enquanto só não chamam «boas pessoas» a todos os senhores automobilistas que, segundo eles, estavam bem era dormir, ouvem (de meia em meia hora!) as mesmas notícias, atendem o telefone, olham 30 vezes para o relógio, melindram-se com a nossa cara de segunda-feira e, sempre que dizem, com voz de pateta: «Quem é o meu tesouro, quem é?», quem faz as contra-ordenações perigosas somos nós!
Os pais servem para imaginar que todas as crianças, ao chegarem à escola, são campeãs de felicidade.
E que nunca nos apetece mandar a nossa professora para a... biblioteca, de castigo, enquanto ela pensa se não será feio mentir (sempre que grita connosco, quando garante, aos nossos pais, que é só doçuras e meiguices...).
Os pais servem, também, para nos ir buscar à escola. E nisso escapam! Mas, independentemente de nos apetecer limpar o pó ao mundo, perguntam (todos os dias!): «Correu bem a escola? e O que foi o almoço?», com tantos pormenores, e no meio de tanta inquietação, que nos provocam brancas e nos levam ao stresse.
Os pais servem para nos deixar nos tempos livres. E, quando pensávamos que podíamos brincar à vontade, (ou não são os tempos... livres?) descobrimos que eles só podem ter sido levados ao engano porque, afinal, nos obrigam a estar, mais uma vez, quietos e calados. E, pior, quando estamos prontos a pedir o livro de reclamações, ora nos castigam com trabalhos de casa ora nos põem, sentadinhos, a ver os mesmos desenhos animados tantas vezes, que nós achamos que isso deve servir para aprendermos a contar até... 100.
Mas os pais servem, também, para trabalhar para a nossa formação desportiva e para o lazer. Quando chegamos à natação, gritam quando não nos queremos despir ali, à frente de toda a gente. Acham que não podemos brincar nem nos balneários nem na piscina. E gritam, outra vez, quando insistimos que os avós e os acompanhantes das outras crianças não deviam saber em que preparos viemos ao mundo.
Os pais servem, também, para zurzir no nosso lado bem-disposto, quando (de regresso ao carro) nos mandam cumprimentar a prima Maria da Glória que, em vez de nos dizer «Olá», delicadamente e com maneiras, nos esborracha contra ela e nos lambuza e, enquanto nos despenteia, duma ponta à outra, nos ofende, de cada vez que diz: «Ai, meu filho, o teu rapaz está tão crescido!....» (Meu filho?... Mas o pai  bateu com a cabeça? Então,    maltratam-lhe o filho, em vez de lhe darem um beijo transformam-no em algodão doce, e ele, ainda por cima, sorri e agradece?...)
Quando, finalmente, entramos em casa e estamos prontos para descansar, os pais servem para nos dizer, contra todas as nossas expectativas: «Primeiro, fazes os trabalhos de casa. Só depois brincas».
E servem para azedar a nossa boa disposição quando, logo a seguir, tratam, como se fosse contrafação, os pacotes de leite, as embalagens de bolachas e as caixinhas com os presentes da Happy Meal que, carinhosamente, tínhamos a dormir ao pé de nós.
Os pais servem para escandalizar, todos os dias, a nossa paciência, ao jantar. Começam por nunca respeitar o nosso: «Já vou!». Vendem-se à publicidade enganosa de cada vez que acham que a sopa de cenoura «faz os olhos bonitos». Servem-nos ervilhas e, carinhosamente (como quem não está muito seguro do produto que promove), chamam-lhe «bolinhas».
E nunca se cansam de nos dizer que a fruta faz bem!

E, quando o dia não pára de nos surpreender, os pais servem para dizer, todos os dias: «A partir de hoje... tu vais ver!».
E, sempre que estão chateados com o trabalho, para reclamar. Assim: «Ah queres fazer uma birra? Pois vamos ver quem faz a birra maior!...»
E, quando querem quebrar a monotonia dos nossos dias, os pais, servem para pronunciar com alma cada palavra, quando nos estragam com meiguices: «Qualquer dia... eu emigro! Para muito longe! E quero ver como é que vocês se safam!».
Com dias assim, em que o pai e a mãe fazem de Capitão Gancho, quem não se rende à canseira e adormece antes do fim de cada história? E quem é que não cede ao nervoso miudinho e não acorda, a meio da noite, com os nervos em franja? E quem é que não ficaria desolado, no meio de toda a energia renovável que eles têm, quando  perguntam com quem estávamos a sonhar (e nós, não podendo dizer que era com eles), respondemos que temos medo é... do Papão!
Nós gostamos dos pais. Desconfiamos que eles imaginam que passam pouco tempo connosco mas, se for para isto, não temos coragem para os contrariar. Afinal, nós sabemos que todas as pessoas de coração grande têm a cabeça quente.
E nunca pomos em dúvida que só o amor importa. Só não entendemos porque é que os pais tenham de ser esta canseira!
E achamos que, desta maneira, eles nos fazem nervoso miudinho.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Quando estou em casa e ele liga a perguntar o que faço? Qualquer dia vai ser isto...


  • Um homem chegou em casa do trabalho e encontrou seus 3 filhos do lado de fora, ainda de pijama, brincando na lama, com caixas de comida vazias e embalagens espalhadas pelo jardim. A porta do carro de sua esposa estava aberta, como também a porta de entrada da casa. Não havia nenhum sinal do cachorro. Entrando pela porta, ele encontrou uma confusão ainda maior. O abajur estava derrubado, o tapete encostado contra uma parede, na sala da frente a TV ligada em volume altíssimo no canal de desenhos animados e a sala de jantar repleta de brinquedos jogados e várias roupas espalhadas. Na cozinha, a pia cheia de louça, restos do café da manhã derramados em cima do balcão, a porta da geladeira aberta e a comida do cachorro espalhada pelo chão. Um vidro quebrado debaixo da mesa, e um pequeno monte de areia perto da porta traseira. Ele rapidamente subiu as escadas, pisando em brinquedos e mais pilhas de roupas, procurando sua esposa.
  • Estava preocupado que ela poderia estar doente, ou que algo sério tivesse acontecido. Foi recebido com um pequeno rio de água que fazia seu caminho pela porta do banheiro afora. Quando ele olhou para dentro, encontrou toalhas molhadas, espuma de sabão e mais brinquedos espalhados pelo chão. Quilómetros de papel higiênico desenrolado e pasta de dente colada no espelho e pelas paredes.Ele correu para o quarto, onde encontrou sua mulher ainda deitada na cama, de pijama, lendo um livro. Ela olhou para ele, sorriu e perguntou como havia sido seu dia. Ele olhou para ela confuso e perguntou: 'O que aconteceu aqui hoje?' Ela novamente sorriu e respondeu: 'Você sabe como todos os dias quando você chega em casa do trabalho você me pergunta o que é que eu fico fazendo o dia todo?'' Sim", foi sua resposta incrédula ..Ela respondeu: 'Então, hoje eu não fiz



quarta-feira, 16 de maio de 2012

Pingo Doce avança com nova promoção no fim-de-semana



Campanha dá desconto de 50% apenas num produto, a carne, mas os clientes têm que gastar pelo menos 20 euros em outros produtos.
A campanha dos 50% do 1º de Maio não se repetirá, mas o Pingo Doce continuará agressivo para aumentar vendas. As palavras são do presidente do grupo Jerónimo Martins, Alexandre Soares dos Santos, e têm confirmação já para este fim-de-semana.
A campanha do Pingo Doce começa já hoje quinta-feira e arrasta-se até ao fim-de-semana. Desta vez a promoção de 50% está limitada a apenas um produto, a carne, sendo que para usufruir dela o consumidor tem de gastar pelo menos mais 25 euros em outros produtos do supermercado.
Todos os fins de semana haverá este tipo de desconto (como já havia as promoções leve 2 pague 1) mas será por secções, para evitar confusão e abranger um maior numero de pessoas

terça-feira, 15 de maio de 2012

"Pai, está na hora de você carregar a mamãe"


(Vi este texto na net e  adorei, (devia era ir ler anedotas), mas comecei-o a ler e vi o quanto as pessoas realmente estão a perder o contacto físico e emocional, que por vezes não acaba...apenas adormece e é preciso reacender a chama do amor e da paixão)


"Naquela noite,enquanto minha esposa servia o jantar, eu segurei sua mão e
disse: "Tenho algo importante para te dizer". Ela se sentou e jantou sem
... dizer uma palavra. Pude ver sofrimento em seus olhos.

De repente, eu também fiquei sem palavras. No entanto, eu tinha que dizer
a ela o que estava pensando.Eu queria o divórcio. E abordei o assunto
calmamente.

Ela não parecia irritada pelas minhas palavras e simplesmente perguntou
em voz baixa: "Porquê?"
Eu evitei respondê-la, o que a deixou muito brava. Ela jogou os talheres
longe e gritou "você não é homem!" Naquela noite, nós não conversamos
mais. Pude ouví-la chorando. Eu sabia que ela queria um motivo para o fim
do nosso casamento. Mas eu não tinha uma resposta satisfatória para esta
pergunta. O meu coração não pertencia a ela mais e sim a Jane. Eu
simplesmente não a amava mais, sentia pena dela.
Me sentindo muito culpado, rascunhei um acordo de divórcio, deixando para
ela a casa, nosso carroe 30% das ações da minha empresa.

Ela tomou o papel da minha mão e o rasgou violentamente. A mulher com
quem vivi pelos últimos 10 anos se tornou uma estranha para mim. Eu fiquei
com dó deste desperdício de tempo e energia mas eu não voltaria atrás do
que disse, pois amava a Jane profundamente. Finalmente ela começou a
chorar alto na minha frente, o que já era esperado. Eu me senti libertado
enquanto ela chorava. A minha obsessão por divórcio nas últimas semanas
finalmente se materializava e o fim estava mais perto agora.

No dia seguinte, eu cheguei em casa tarde e a encontrei sentada na
mesa escrevendo. Eu não jantei, fui direto para a cama e dormi
imediatamente,pois estava cansado depois de ter passado o dia com a Jane.


Quando acordei no meio danoite, ela ainda estava sentada à mesa,
escrevendo. Eu a ignorei e volteia dormir.

Na manhã seguinte, ela me apresentou suas condições: ela não queria
nada meu, mas pedia um mês de prazo para conceder o divórcio. Ela pediu
que durante os próximos 30 dias a gente tentasse viver juntos de forma
mais natural possivel. As suas razões eram simples: o nosso filho faria
seus exames no próximo mês e precisava de um ambiente propício para
prepar-se bem,sem os problemas de ter que lidar com o rompimento de seus
pais.

Isso me pareceu razoável, mas ela acrescentou algo mais. Ela me lembrou do
momento em que eu a carreguei para dentro da nossa casa no dia em que nos
casamos e me pediu que durante os próximos 30 dias eu a carregasse para
fora da casa todas as manhãs. Eu então percebi que ela estava
completamente louca mas aceitei sua proposta para não tornar meus próximos
dias ainda mais intoleráveis.

Eu contei para a Jane sobre o pedido da minha esposa e ela riu muito
e achou a idéia totalmente absurda. "Ela pensa que impondo condições assim
vai mudar alguma coisa; melhor ela encarar a situação e aceitar
o divórcio", disse Jane em tom de gozação.

Minha esposa e eu não tínhamos nenhum contato físico havia muito tempo,
então quando eu a carreguei para fora da casa no primeiro dia, foi
totalmente estranho. Nosso filho nos aplaudiu dizendo "O papai está
carregando a mamãe no colo!" Suas palavras me causaram constrangimento. Do
quarto para a sala, da sala para a porta de entrada da casa, eu devo ter
caminhado uns 10 metros carregando minha esposa no colo. Ela fechou os
olhos e disse baixinho "Não conte para o nosso filho sobre o divórcio" Eu
balancei a cabeça mesmo discordando e então a coloquei no chão assim que
atravessamos a porta de entrada da casa. Ela foi pegar o ônibus para o
trabalho e eu dirigi para o escritório.

No segundo dia, foi mais fácil para nós dois. Ela se apoiou no meu
peito,eu senti o cheiro do perfume que ela usava. Eu então percebi que há
muito tempo não prestava atenção a essa mulher. Ela certamente tinha
envelhecido nestes últimos 10 anos, havia rugas no seu rosto, seu cabelo
estava ficando fino e grisalho. O nosso casamento teve muito impacto nela.
Por uns segundos,cheguei a pensar no que havia feito para ela estar neste
estado.

No quarto dia, quando eu a levantei, senti uma certa intimidade maior
como corpo dela. Esta mulher havia dedicado 10 anos da vida dela a mim.

No quinto dia, a mesma coisa. Eu não disse nada a Jane, mas ficava a
cada dia mais fácil carregá-la do nosso quarto à porta da casa. Talvez
meus músculos estejam mais firmes com o exercício, pensei.

Certa manhã, ela estava tentando escolher um vestido. Ela experimentou uma
série deles mas não conseguia achar um que servisse. Com um suspiro,ela
disse "Todos os meus vestidos estão grandes para mim". Eu então percebi
que ela realmente havia emagrecido bastante, daí a facilidade em
carregá-la nos últimos dias.

A realidade caiu sobre mim com uma ponta de remorso... ela carrega
tanta dor e tristeza em seu coração..... Instintivamente, eu estiquei o
braço e toquei seus cabelos.

Nosso filho entrou no quarto neste momento e disse "Pai, está na hora de
você carregar a mamãe". Para ele, ver seu pai carregando sua mão todas as
manhãs tornou-se parte da rotina da casa. Minha esposa abraçou nosso filho
e o segurou em seus braços por alguns longos segundos. Eu tive que sair de
perto, temendo mudar de idéia agora que estava tão perto do meu objetivo.
Em seguida, eu a carreguei em meus braços, do quarto para a sala, da sala
para a porta de entrada da casa. Sua mão repousava em meu pescoço. Eu a
segurei firme contra o meu corpo. Lembrei-me do dia do nosso casamento.

Mas o seu corpo tão magro me deixou triste. No último dia, quando eu
asegurei em meus braços, por algum motivo não conseguia mover minhas
pernas.Nosso filho já tinha ido para a escola e eu me vi pronunciando
estas palavras:"Eu não percebi o quanto perdemos a nossa intimidade com o
tempo".

Eu não consegui dirigir para o trabalho... fui até o meu novo futuro
endereço,saí do carro apressadamente, com medo de mudar de idéia...Subi
as escadase bati na porta do quarto. A Jane abriu a porta e eu disse a
ela "Desculpe Jane. Eu não quero mais me divorciar".

Ela olhou para mim sem acreditar e tocou na minha testa "Você está com
febre?" Eu tirei sua mão da minha testa e repeti "Desculpe,Jane. Eu não
vou me divorciar. Meu casamento ficou chato porque nós não soubemos
valorizar os pequenos detalhes da nossa vida e não por falta de amor.
Agora eu percebi que desde o dia em que carreguei minha esposa no dia do
nosso casamento para nossa casa, eu devo segurá-la até que a morte nos
separe.

A Jane então percebeu que era sério. Me deu um tapa no rosto, bateu a
porta na minha cara e pude ouví-la chorando compulsivamente. Eu voltei
para ocarro e fui trabalhar.

Na loja de flores, no caminho de volta para casa, eu comprei um buquê
de rosas para minha esposa. A atendente me perguntou o que eu gostaria
de escrever no cartão. Eu sorri e escrevi: "Eu te carregarei em meus
braços todas as manhãs até que a morte nos separe".

Naquela noite, quando cheguei em casa, com um buquê de flores na mão e um
grande sorriso no rosto, fui direto para o nosso quarto onde
encontrei minha esposa deitada na cama - morta.
Minha esposa estava com câncer e vinha se tratando a vários meses, mas eu
estava muito ocupado com a Jane para perceber que havia algo errado com
ela. Ela sabia que morreria em breve e quis poupar nosso filho dos efeitos
de um divórcio - e prolongou a nossa vida juntos proporcionando ao nosso
filho a imagem de nós dois juntos toda manhã. Pelo menos aos olhos do meu
filho, eu sou um marido carinhoso.

Os pequenos detalhes de nossa vida são o que realmente contam num
relacionamento.Não é a mansão, o carro, as propriedades, o dinheiro no
banco. Estes bens criam um ambiente propício a felicidade mas não
proporcionam mais do que conforto. Portanto, encontre tempo para ser amigo
de sua esposa, faça pequenas coisas um para o outro para mantê-los
próximos e íntimos. Tenham um casamento real e feliz!"

Muitos fracassados na vida são pessoas que não perceberam que estavam
tão perto do sucesso e preferiram desistir..

Valorize quem realmente te ama..Pense nisso!

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Sobrevivi...



Aqui deixo algumas imagens do dia de ontem.
Não imaginam o gozo que me deu trabalhar neste dia, as pessoas que faziam compras andavam com um sorriso na cara, se faltava algum produto pediam com educação, por vezes esgotava nas prateleiras e os colegas mal conseguiam passar do armazém para a loja para repor, eram camiões a chegar de 2 em 2 horas, durante a noite a loja ficou como nova para abrir hoje.
Agora as pessoas que não conseguiram entrar essas que me desculpem mas, muitas foram muitas mal educadas, os colegas que passaram por eles para ir trabalhar foram insultados, chamaram nomes, disseram que se tivessem a trabalhar desde manhã cedo que eles clientes já podiam estar lá dento, etc. falta de civismo. Entre as 14h e as 16h as portas fecharam porque havia filas a atravessarem a loja e já nem conseguia se mexer, não valia de nada deixar entrar pessoas se não iriam conseguir andar pela loja e poderiam causar distúrbios. E era preciso repor material nas prateleiras. Houve pessoas a estar horas nas filas e nem reclamavam, chegavam à caixa contentes com os carrinhos a esbordar e pagavam admirados de tanta coisa por tão pouco, pessoas que compravam produtos que se não fosse estarem a metade do preço nunca usufruiriam deles. Após a segunda abertura as pessoas que estavam lá fora e que por fim entraram foram mal educados, foi quando precisamos de chamar a GNR, não porque houve desacatos mas, porque não respeitavam as indicações dos funcionários e a eles já obedeciam. As portas fecharam de vez às 18 h, para os clientes para os que estavam dentro da loja fazerem as compras em segurança, muitos foram acompanhados pela GNR até aos seus carros porque os que estavam lá fora a tentar entrar mal tratavam as pessoas que saiam com compras, muitos diziam aos seguranças que queriam  ir ás outras lojas dentro do Pingo Doce mas iam a correr tentar fazer compras, mas os GNR  não deixavam. Atendemos o ultimo cliente às 22h e ainda havia pessoas a insistir para entrar.
Houve pelo menos 2 pessoas que passaram horas no lado de fora à espera para entrar, entraram fizeram as compras foram para as filas enormes, registaram os produtos e na hora de pagar os cartões não davam, fiquei triste por ver as pessoas a passarem por tudo aquilo e depois irem de mãos abanar e por certo precisavam muito. Outras faziam as contas todas porque só podiam gastar até 70€, o que levariam 140€ em compras. 
Ao contrário do que se possa parecer correu tudo muito bem dada as circunstâncias, agora é certo que quem ficou de fora vai criticar, a concorrência vai criticar e muitos por esses cantos, mas quem fez compras saiu bem feliz.
Os funcionários terão um dia para eles, e ninguém desta cadeia alimentar foi obrigado a trabalhar neste dia, muitos que estavam de folga pediram para ir trabalhar, pois sempre que precisam este grupo apoia, defende,sabe valorizar os seus funcionários.




terça-feira, 1 de maio de 2012